Kyrielle

kyrielle_F

Bureau d’investigation photographique
Kyrielle 

Incertain Sens, Rennes, 2016
72 p.
16 x 22 cm
Impressão em offset
ISBN : 978-2-914291-79-8

Kyrielle é o banco de imagens do Bureau of Photographic Investigation, alimentado regularmente de acordo com o princípio do jogo Kyrielles. Em uma ordem aleatória, cada membro do coletivo escolhe uma imagem à qual o próximo responde por associação de idéias e de acordo com sua própria subjetividade. Este leporello chega a fechar 10 anos de trabalho realizado entre 2005 e 2015.

kyrielle-2-635px

Kyrielle est la banque d’images du Bureau d’investigation photographique, alimentée régulièrement selon le principe du jeu des Kyrielles. Selon un ordre aléatoire, chaque membre du collectif fait le choix d’une image à laquelle le suivant répond par association d’idées et en fonction de sa propre subjectivité. Ce leporello vient clôturer 10 ans de travail mené entre 2005 et 2015.

http://www.lespressesdureel.com/ouvrage.php?id=4957
http://instamaticstudio.blogspot.com/2017/08/kyrielle-bureau-dinvestigation.html

Anúncios

Sounds of Silence

sounds-of-silence_F3

Patrice Caillet, Adam David & Matthieu Saladin
Sounds of Silence – The Most Intriguing Silences In Recording History!
Itália, Alga Marghen and Incertain Sens, 2013
Disco Vinyl, LP

Sounds of Silence
é uma antologia de algumas das mais intrigantes trilhas silenciosas da história da gravação e inclui obras raras, entre outras, de Andy Warhol, John Lennon, Maurice Lemaître, Sly e the Family Stone, Robert Wyatt, John Denver, Whitehouse, Orbital. , Crass, Ciccone Juventude, Afrika Bambaataa, Yves Klein, etc. Em seu próprio modo quieto, estes silêncios falam volumes: eles são performativos, político, crítico, abstrato, poético, cínico, técnico, absurdo… Eles podem ser planejados como um comemorativo ou uma piada, uma oferta especial ou algo totalmente indefinido. Os silêncios cuidadosamente escolhidos desta antologia estão intrinsecamente ligados ao meio da própria reprodução e revelam sua materialidade nua. Eles expõem seu meio em todas as suas facetas e imperfeições, incluindo o efeito do tempo e do desgaste. No nível mais básico, esses silêncios são superfícies. E é na sua materialidade que eles se distinguem dos experimentos conceituais de John Cage com 4’33 “. A partir da década de 1950, o silêncio encontrou um lugar na estrutura econômica da indústria fonográfica e, desde então, seria cada vez mais apropriado por um vasto Uma série de artistas em uma vasta gama de contextos.Na verdade, as faixas silenciosas parecem não conhecer limites.O LP apresenta os silêncios como eles foram originalmente gravados, preservando qualquer imperfeição que o hardware conferiu à empresa, sem proibir a possibilidade de satisfazer o As notas encadernadoras fornecem antecedentes históricos para cada faixa, revelando as motivações declaradas (ou presumidas) para esses silêncios, enquanto fornecem novas correspondências ou interferências sonoras.Esse álbum deve ser tocado alto (ou não), a qualquer momento, em qualquer lugar: uma verdadeira experiência auditiva.

Sounds of Silence is an anthology of some of the most intriguing silent tracks in recording history and includes rare works, among others, by Andy Warhol, John Lennon, Maurice Lemaître, Sly & the Family Stone, Robert Wyatt, John Denver, Whitehouse, Orbital, Crass, Ciccone Youth, Afrika Bambaataa, Yves Klein, etc. In their own quiet way, these silences speak volumes: they are performative, political, critical, abstract, poetic, cynical, technical, absurd… They can be intended as a memorial or a joke, a special offer, or something entirely undefined. The carefully chosen silences of this anthology are intrinsically linked to the medium of reproduction itself and reveal it’s nude materiality. They expose their medium in all its facets and imperfections, including the effect of time and wear. At the most basic level, these silences are surfaces. And it is in their materiality that they distinguish themselves from the conceptual experiments of John Cage with 4’33”. From the 1950s silence has found a place in the economic structure of the record industry and since then it would increasingly be appropriated by a vast array of artists in a vast array of contexts. Indeed, the silent tracks seem to know no boundaries. The LP presents the silences as they were originally recorded, preserving any imperfection that the hardware conferred upon the enterprise, without banning the possibility to satisfying the ear. The liner notes provide historical background for each track, revealing the stated (or presumed) motivations for these silences, while providing novel sound correspondences or interferences. This album is meant to be played loud (or not), at any time, in any place: a true aural experience.

Algumas faixas do disco estão disponível nesse link: https://soundcloud.com/silent-entertainment-1/sets/sound-of-silence-lp

https://www.discogs.com/Various-Sounds-Of-Silence-The-Most-Intriguing-Silences-In-Recording-History/release/4928592
http://www.lespressesdureel.com/EN/ouvrage.php?id=2956

[Vostok]

Scanner_20180802

Letícia Ramos (Santo Antônio da Patrulha, 1976)
[VOSTOK ]
São Paulo, Edição da autora, 2013
21 x 15 cm
[88]p
500 exemplares

VOSTOK_frame-3-2013

VOSTOK é um projeto que parte da descoberta científica de um lago pré-histórico submerso na Antártida. Em 2012, os cientistas da base russa de pesquisa VOSTOK recolheram amostras de um lago a 4 km abaixo da superfície congelada. Estas amostras são “cápsulas do tempo” da época em que o continente da Antártida começou a congelar. Curioso sobre a existência da vida e do fundo do oceano da paisagem pré-histórica, um cientista russo enviou um submarino em miniatura para as águas frias do lago subglacial. Estes registros contêm uma investigação da representação da vida submarina no Pólo Sul, mostrando lagos sub-polares, submarinos russos, a idade pré-glacial e as luas de Júpiter.
VOSTOK é um projeto de múltiplas mídias que reúne filme, cineperformance, livro e disco (LP). Cada obra do projeto trata de diferentes aspectos de um mesmo universo ficcional, desenvolvendo uma relação complexa entre os elementos narrativos da história e do próprio processo artístico que compõe o conjunto épico de Vostok.

MG_8672 (1)

O disco LP do projeto é o registro da performance “Ensaio para gravação de Orquestra” realizado no estúdio da artista Letícia Ramos no PIVÔ – Arte e Pesquisa no dia 04 de Abril de 2013. Este disco possui 400 exemplares.
http://leticiaramos.com.br/vostok_teaser/

Ensaio

capa ensaio__o

Bárbara Wagner
ENSAIO
Recife, Editora do autor, 2010
19 x 15 cm
80 p.
Offset
1000 exemplares.

6642__o

Ensaio, de Bárbara Wagner, nasce da consciência do lugar-comum da imagem etnográfica e do desejo de mensurar um trabalho artístico com a tradição da fotografia de reportagem. A artista se voltou à cena do maracatu rural em praças de Nazaré da Mata e outras cidades do interior de Pernambuco durante os ensaios que precedem o Carnaval, quando os brincantes ainda não usam a indumentária tradicional. Wagner direciona seu olhar a instantes raros da celebração: suas tomadas verticais mostram os caboclos em momentos de espera, antes que a música comece e que a brincadeira envolva o grupo inteiro em uma dança. A espera e a noite compõem um espaço atemporal, a atenção se concentra nas poses involuntárias desses homens, em suas expressões, nos detalhes de suas roupas, nos pequenos gestos. A série se alterna entre a natureza estática de August Sander e a dureza flagrante de Weegee, e revela uma ironia que evita o estereótipo das taxonomias documentais, que muitas vezes restringem o trabalho fotográfico a uma fria aplicação de uma estratégia conceitual. (Giuliano Sergio)

http://www.barbarawagner.com.br/Ensaio-Rehearsal

recibo057

malambo_RECIBO057_Page_01.jpg

Traplev
número 5, ano 8
Rio de Janeiro, RJ, 2010
1/1 off-set, 36 páginas
3.000 exemplares
ISSN:22363138

 

Notas

Recibo057 propoe uma leitura compartilhada bilingue, pos os conteudos aqui publicados estão nas linguas originais e sempre , seja na tradução, ou memsmo na tentativa de ler em outra lingua o mais importante é tentar compreender o que nao se pode apreender por completo, (outra lingua), tentando mesmo assim criar significados que possam transformar-se de fato em outras (mesmas) relações, possibilidades. Recibo057 – Malambo, bienvenidos!

 

Participantes :

Yolanda Chois
Victor Albarracín
José Tomas Giraldo
Cero39
Daniela Castro
Rodolfo Martine Malota
Lugar a Dudas
Felipe Prando
Monica Restrepo
Carolina Ruiz
João Modé
Jaime Iregui
Camila Rocha
Traplev

 

recibo67

recibo 67_Page_01.jpg

 

Traplev
número 11, ano 10
Recife, PE, 2012
21 x 29 cm
64 páginas
10.000 ex.
ISSN:22363138

 

 

 

Participantes:

Sara Ramo
Fabio Morais
Daniel Costa
Tatiana Ferraz
Laercio Redondo
Estelle Nabeyart
Daniel Steegmann

 

recibo 80

18 recibo 80_Page_001.jpg

 

Traplev
recibo 80
número 13, ano 18
Recife, PE, 2015
23 x 16 cm, 150 páginas
1.000 exemplares.
ISSN: 22363138

 

 

Participantes

Ana Maria Maia
Fernanda Nogueira
Julia Rebouças
Ruben Mano
Carla Zaccagnini
Ligia Nobre
Ana Paula Cohen
Ricardo Basbaum
Luiza Proença
Ivair Reinadim
Ana Pato

 

https://issuu.com/recibo