Guia de Terrenos Baldios de São Paulo

Guia de Terrenos Baldios

Lara Almarcegui.
Guia de Terrenos Baldios de São Paulo: uma seleção dos lugares vazios mais interessantes da cidade
[São Paulo : Fundação Bienal de São Paulo], 2006.
36 p. : il. p&b
24 x 15 cm.
Impressão em offset
27.750 ex.

“Projeto realizado em ocasião da 27ª Bienal de São Paulo ‘Como Viver Junto’, em agosto de 2006”.

” O principal interesse dos terrenos baldios é que eles estão ligados à realização de um projeto, ainda que tenham proprietário e sua existência esteja relacionada a planos de urbanismo do futuro ou do passado que, por diversas razões, estão parados. Os terrenos baldios são lugares da possibilidade em que o cidadão pode se sentir livre.”

trecho extraído do livro

 “GUIA DE TERRENOS BALDIOS DE SÃO PAULO” apresenta uma seleção de lugares vazios da cidade de São Paulo. Além de situar esses espaços através de mapas, o livro também apresenta uma série de fotos desses locais, sendo cada foto acompanhada de um pequeno texto. Localizados em uma megalopóle, esses terrenos desabitados se revelam espaços de respiro e de resistência em uma cidade que cresce em ritmo acelerado, onde “estruturas de mercados colonizam e comercializam tudo”*. O Guia possibilita descobrir lugares ‘independentes’ do ritmo de toda cidade e  que por esse motivo estão ameaçados à desaparecer.

* Lara Almarcegui

“Um exemplo de uma descrição, a partir da imagem de um terreno na rua da Consolação, altura do número 1.411: “O terreno baldio é um vão de 5.300 metros quadrados encaixado entre edifícios numa zona densamente construída. A entrada do terreno fica na Rua da Consolação e coincide com a entrada de um estacionamento, ao qual se acessa somente de carro. No terreno havia uma mansão que foi demolida em 1985. Encheu-se de árvores frutíferas e pássaros, até que ali foi instalado um estacionamento em fins dos anos 1990”.

“O relato prossegue até mencionar a existência de uma estrutura de concreto e aço de um edifício que começou a ser construído e não foi adiante, terminando com um dado de tragédia pessoal: “Seu esqueleto está se tornando uma ruína. Junto à entrada acumulam-se materiais de construção que não chegaram a ser utilizados. Conta-se que durante a construção, chegou-se até o lençol freático e a água desestabilizou as fundações, e que os proprietários se arruinaram e tiveram que parar a obra”.

Uma entrevista com a artista (em espanhol) feita por Fernando Oliva, autor do texto acima: http://www.canalcontemporaneo.art.br/arteemcirculacao/archives/001080.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s