Trivial

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.


Bruno Rios / Juan Narowe / Ricardo Reis
Belo Horizonte (1989) / Mariana (1993) / São Paulo

TRIVIAL
São Paulo, Cosacnaify, Meli-Melo Press, 2015.

Idioma: Português
brochura
500 ex.
14  x 20 cm.
offset p&b
ISBN: 978-85-920517-0-9

Trivial é consequência, rua vasta, 3 caminhos, encruzilhada, elo firme, breu.
Foi produzido e editado na cidade de São Paulo, entre outubro e novembro de 2015 durante a 1ª Residência da Feira Plana e impresso pela Ipsis Gráfica e Editora – Santo André/SP. Finalizado em Belo Horizonte, em dezembro do mesmo ano.
Contém anexos impressos em risografia e carimbo sobre papéis variados.
http://www.brunorios.net/11103537

Trivial é um livro de Bruno Rios, Narowe e Ricardo Reis, desenvolvido na residência da Feira Plana em uma parceria com Cosac Naify, Meli-Melo Press e Ipsis Gráfica. Os três artistas mineiros imergiram na cidade de São Paulo e produziram todo o material da publicação num processo intenso de desenho e experimentação gráfica.

Todo conteúdo do livro foi pensando e construído a partir da relação com a cidade e seu entorno e dos parques gráficos disponíveis aos residentes.

Há entre a produção dos três artistas um vínculo comum com o cotidiano urbano, observado sob a ótica do palimpsesto: sobreposição de camadas, planos e tempos.

A heterogeneidade presente no dia a dia da cidade é interpretada como uma rica fonte de referências e aproximações, por intermediar e apresentar formas diversas do relacionar e do percorrer. Já que ao mesmo tempo que estimula caminhos, oferece passagens e aguça sentidos cacofônicos e dissonantes, abrindo espaços conforme o acaso e o uso.

Trazendo este aprendizado oferecido pelo contexto urbano para a prática do desenho, opera-se um gesto gráfico que traça, encarna, abandona, sobrepõe e retoma caminhos, sem métodos definidos a priori, como um tratado do encontro, ponto de partida da experiência, pois enquanto a obra se faz, inventa-se também o modo de fazer. Seu conteúdo se adensa pela incorporação do que se vive, como a imagem do errante: que caminha, observa e ressignifica.

Deste modo o processo de construção do livro e sua narrativa, apontam para o caminho da fragmentação, do acúmulo, das variações de escala e tempo: aproximando-se do nosso entendimento de cidade e seus cursos, onde o corpo opera também como matéria de desenho, traça um rastro e ao caminhar ainda incorpora passagens.

[fonte das imagens]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s